Tuesday, October 7, 2014

"A gente não quer só comida"

            Meu avô, em frente a uma das obras que trabalhou


Meu avó, José dos Santos, morreu quando eu tinha 3 anos. Mas minha mãe conta uma história que me comove sempre e serve como um guia na minha vida. José era pintor - de paredes e de prédios de Belo Horizonte-.Tinha 8 filhos. Minha avó era salgadeira e lavava e passava roupa pra fora. Um dia, meu avó ganhou de um patrão ingressos para ir ao cinema ( acho que era para o Cine  Pathé, isso na década de 1970.) Ele ficou muito feliz  por proporcionar esse luxo para 2 dos filhos. Afinal, se não sobrava $ para o mais básico, teria para cinema?  

No dia, vestiram as melhores roupas ( de irem para igreja), arrumaram o cabelo e foram. Enfrentaram fila com os olhinhos brilhando ante a oportunidade de ver um filme ( imaginem a cena!). No entanto, na vez deles, foram impedidos de entrar pois estavam de chinelos. Não tinham sapatos.

Então,tiveram que voltar pra casa, sem graça, com vergonha até. Meu avô com uma tristeza e desesperança que só pais conseguem entender. 

Isso ocorreu há uns 40 anos...na capital mineira. José dos Santos morreu sem sequer imaginar (ou sonhar) que hoje, 2014, filhos como os dele contam histórias diferentes. Pessoas pobres como ele foi um dia têm mais oportunidades e mais inclusão.  Podem não somente ir a cinemas... mas até formar no terceiro grau, viajar, comprar carro (!!!)...

Enfim... desculpem-me pela longa historinha... Mas não consigo deixar de imaginar quantas famílias de "Josés dos Santos" ainda precisam serem incluídas nesse nosso Brasil. É por isso que não acredito de jeito nenhum que um governo de elite e para qa elite vai atender ( e compreender!) essa realidade.

 Quando vão entender que "A gente não quer só comida."?





José dos Santos, com o melhor terno, no casamento da minha mãe

Thursday, August 21, 2014

Arrumando malas!


Viajar é muito bom! Delícia demais e um dos melhores investimentos que há: experiência e cultura ninguém te tira :)
Mas para chegar ao destino precisamos de malas e/ou mochilas. Então, dependendo do motivo da trip e do tamanho das malas é necessário muita organização e criatividade. Como faço viagens frequentes de trabalho, já tenho minhas manhas para arrumar. Mas vira e mexe me surpreendo com dicas valiosíssimas. Uma que venho usando muito é a do aspirador de pó + saco tipo ziplock ( com válvula de ar).

O segredo desse truque  é tirar o ar de dentro do saco com as roupas já dentro. O volume ( não o peso!) reduz demais, o que aumenta a capacidade de levarmos ainda mais coisa! No meu caso sempre procuro viajar com malas pequenas, daquelas de carry-on. E ainda despacho a danada. Vou apenas com uma mochila dentro do avião. Minha bolsa ( pequena também) vai dentro da mochila. 

Olha que beleza! 

Desta forma, você ainda protege as roupas!

Detalhe da válvula que possibilita o vácuo



A mala fecha sem problema.


Para isso precisamos desse tipo de saco e um aspirador de pó


Friday, July 18, 2014

Viajar ou não com recém-nascido?


Lucas... em sua primeira viagem para o Brasil :)

Ninguém precisa dizer o dilema moral e físico que é o de decidir se viaja ou não com seu bebê novinho, de até dois meses de idade. Foi um martírio tomar essa decisão por vários motivos:

1) Considerando a data da viagem, meu neném teria apenas 1 mês de vida e alguns dias.... Ou seja, ainda não teria tomado todas vacinas que precisa ( no caso do meu filho, só havia tomado a da hepatite B, ainda no hospital) e as outras só se toma  aos 2 meses de idade.

2) distância da viagem: de Houston ( Estados Unidos)  à Belo Horizonte (Brasil): 13 horas, incluindo conexão.

3) Expor o bebê num lugar confinado, que é um avião.

4) Tinha passado por uma cesareana.... E ainda faltava 10 dias pra completar a quarentena.

Mas havia outras questões a considerar:

1)Estava de licença maternidade do meu trabalho nos EUA e seria a única chance de eu ter mais de 2
semanas ( esse é o período de férias anuais nos EUA) para que minha família e amigos conhecessem meu filho.

2) meu marido estava de férias... E, portanto, poderia viajar comigo.
3) Li e reli todos os comentários possíveis a respeito de viagens do tipo e não encontrei nenhum que falasse que houve problema. Vi apenas julgamentos de pessoas condenando a mãe.
4) Conversei com a pediatra do meu filho e ela disse q o maior problema seria o confinamento do bebê  em lugares cheio de pessoas mas que pela experiência dela ( ela tem vários pacientes cujas

mães são estrangeiras e precisam viajar) nunca houve problema. Contou casos de bebês que viajaram de avião com duas semanas de vida. Ela não proibiu, mas também não me deu carta branca.

5) Conversei com meu obstetra nos EUA e também pediatra e profissionais de saúde no Brasil ... Todos repetiram o que li e ouvi da médica nos EUA.

Resultado: Havia riscos sim, mas não encontrei fatos, estatísticas, relatos de algo negativo demais para viajar com o bebê....Logo, viajei. E digo: deu tudoooo certo! Graças a Deus! Meu bebê, com 1 mês e 3 dias, dormiu a viagem toda.... E deu umas 3 choradinhas( de 1 minutinho, no máximo) só pra mamar. 

Não estou escrevendo esse depoimento para confrontar ninguém. Somente para ajudar mães e pais
que estão no mesmo dilema que tive. O peso na consciência já existe .... Precisamos de informação e
não de julgamentos :)

Escutem os médicos e sempre avaliem a saúde de seu bebê. 

E, se a decisão for "sim".... Que tenham uma feliz e abençoada viagem!



Tensa... Mas feliz!


Onde gastar seu tempo?

Nova-vida-de-mãe :)

Oie!

Mulher de fases :)
Sumi por um tempo e peço mil desculpas a vocês.  Esse tempo foi e está sendo muito importante pra mim.
No dia 31 de Maio de 2014 meu filhinho nasceu: muito cabeludinho, saudável e lindo. Tive que passar por cesareana de emergência...Mas correu tudo bem e estamos ótimos!
Desde então, meu tempo está sendo exclusivamente dedicado a ele. Amamento a cada hora quase! Graças a Deus minha mãe foi pra Houston e me ajudou demaissssss! Mãe-anjo!
No último minuto pensei:
Já que estou de licença maternidade e meu marido de férias, resolvemos vir à Belo Horizonte  com nosso neném visitar minha família. E foi mais correria ( viagem internacional com bebê de um mês... malas...) Mas, de novo, correu tudo muito tranquilo!
Minha rotina está bem simples e calma dentro de casa: amamentar, trocar fraldas, brincar com meu filho, tomar solzinho da manhã, lavar roupa.... Nada a reclamar. Estou amando essa simplicidade :)
E, aos poucos, retorno para esse espaço virtual que tanto adoro e respeito! #dicasingriveis
Bjos e até mais!